terça-feira, 10 de maio de 2016

Adotando um peludo (Parte 2)

Olá pessoal,

As orientações abaixo, considero de suma importância na hora de avaliar suas condições pessoais em adotar um peludo. 

1 - Primeiro, avalie o ambiente em que mora. Espaço e condições ideais para cuidar de um animal é fundamental. Pense também qual característica física e comportamental do animal será mais adequada, que se adapte melhor ao seu estilo de vida e de sua família. 


2 - Quando estiver vendo algum animal de abrigos ou CCZs, procure obter o maior número de informações com a pessoa que está apresentando os animais. Procure saber seu comportamento, características e etc. Tudo o que possa ser útil na escolha adequada do peludo que se encaixará na sua rotina diária e de sua casa.

3 - Se possível, interaja com o peludo, da forma mais calma e tranquila possível, dando confiança e respeito a ele. Se optou por um cão, peça para dar um passeio com ele, junto ao responsável pela adoção. Se optou por um gatinho ou outro animal, fique próximo a ele e veja como são suas reações e sensações. Jamais os pegue no colo ou force situações logo de cara, lembre-se sempre que são os peludos que devem tomar a iniciativa de qualquer aproximação.

4 - Se você optar por um cão adulto por exemplo, lembre-se que, os cães dependem muito do contato físico e atividades. É fundamental os passeios diários com eles. Além de estreitarem o relacionamento com esses passeios, principalmente nos primeiros dias e semanas, os cães de abrigos geralmente tem muita energia para gastar, pois dificilmente esses animais saíam para dar uma volta e aliviar o estresse. Atividades mentais e de socialização também são muito importantes. Interaja sempre com ele, mas respeitando suas individualidades e seu tempo de entendimento, confiança e motivação.

5 - Não se esqueça que cães precisam de mais contato físico do que gatos por exemplo. Se quer adotar um peludo, mas não fica muito tempo em casa por conta do trabalho, faculdade, escola e etc, um gato pode ser a melhor escolha, pois dependem menos do contato físico dos humanos do que os cães, por exemplo. Mas o ideal, independente do peludo adotado, é não deixá-lo sozinho por muitas horas. Sem qualquer tipo de socialização ou interação.

6 - E por falar em gatos, uma dica muito importante sobre eles é que se for adotar um felino, é extremamente importante telar as janelas de sua casa ou apartamento. Geralmente os gatos de abrigos, ruas ou CCZs ja conhecem a rua e com isso irão querer dar suas saidinhas. Jamais permita que atos que eles saiam para a rua, pois muitos deles sofrem vários tipos de violência e a curiosidade do gato as vezes coloca esses peludos em grande risco.


7 - Outra dica para quem adotar um gato, além de telar as janelas e possíveis lugares que ele possa escapar é de enriquecer o ambiente. Ou seja, colocar brinquedos e arranhadores que irão entreter seu peludo felino em casa e fazer com que ele não tenha muito tempo para bolar um plano de como dar uma "fugidinha".

8 - Procure também criar um espaço para que seu gato possa tomar sol e também algum lugar em que ele possa subir. Muitos felinos adoram olhar as coisas pelo alto. Então, além de espaço horizontal, seria legal eles também terem um espaço vertical para usarem. Também não esqueça da caixa de areia para que eles façam suas necessidades. 

9 - Se você optar por adotar um animal de alguma raça especifica, antes de adotar, procure conhecer tudo sobre a raça e a partir daí, decida se realmente você terá condições de cuidar e conviver com o novo membro da família. 

10 - Se optou por adotar um filhote, lembre-se que essa é a melhor fase para socializá-lo e deixá-lo equilibrado. Socialize-o para o convívio com outras pessoas e animais. Se precisar, peça ajuda a um profissional da área para ensiná-lo sobre obediência, socialização e adestramento. E não se esqueça que todo filhote irá crescer. Avalie bem a característica do animal, porte, e qual espaço ele terá depois que crescer. Se o filhote for um SRD (sem raça definida) procure saber quais as misturas de raça que ele possui, para ter uma ideia do quanto ele irá crescer e como pode ser seu comportamento. E tenha muita paciência com o peludinho.

11 - Se você for adotar um animal idoso ou que tem alguma necessidade especial, saiba que fará uma coisa muito nobre, pois esses animais dificilmente são adotados. Tenha em mente que esses animais terão que ter acompanhamento constante, e muitos cuidados com a saúde. Por outro lado, são excelentes animais de companhia. 

12 - Não se esqueça que todos os animais que são adotados de abrigos ou CCZs devem sair castrados, vacinados e vermifugados.

13 - Caso o peludo for de rua, leve-o ao veterinário de sua confiança e faça um check-up para ver se está tudo ok com ele e para que o peludo tome as vacinas necessárias e para ser vermifugado. E quando possível, agende a castração do peludo.

14 - A dica mais importante: De tempo suficiente ao peludo se adaptar e se soltar no ambiente. Não force nada. Ele está conhecendo sua nova casa e sua nova família e também, provavelmente ele tenha lembranças de outras situações e vivencias. Muitas delas ruins!! A adaptação de alguns peludos pode levar algum tempo. Tenha paciência, amor e tranquilidade. Tudo é no tempo dele, não no seu!! 

Essas dicas podem ser bem úteis na hora de adotar um peludo!!!

Caso precise de orientação ou alguma ajuda com o peludo, entre em contato e peça uma consulta comportamental!

E-mail: equilibrio.4patas@gmail.com
Tel-Whatsapp: (11) 9-7046-5156

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...